quinta-feira, 30 de julho de 2009

Instantâneos (16)


Neruda em Alfama.

2 comentários:

divagarde disse...

Cemitério de beijos... A canção desesperada, de Pablo Neruda...

Oh a boca mordida, oh os beijados membros,
oh os famintos dentes, oh os corpos traçados.

Oh a cópula louca da esperança e esforço
em que nos ajuntamos e nos desesperamos.

E a ternura, leve como a água e a farinha.
E a palavra apenas começada nos lábios.



Que beleza a ternura dos beijos assim emoldurados!

Ana Cristina Casqueiro Haderer disse...

Neruda na Alfama... e porque não??? Precisamos de mais poesia e em mais lugares. Os metros de Londres e Paris têm espaços publicitários dedicados à poesia, em Londres mesmo dos viajantes que enviam directamente aos serviços do metro.
Excelento instantâneo.