segunda-feira, 1 de junho de 2009

Instantâneos (13)


Rua estreita. Curta. E simples.
Lisboa “operária”, castiça, nossa.
Com ou sem obras nos estores das minúsculas varandas, malmequeres ou craveiros nas janelas abertas ao sol primaveril de uma tarde de Maio, roupa estendida, aproveitando o calor.
Cores múltiplas.
Faltam os pregões de outrora. E os operários.
Ficou o velho candeeiro, testemunha de época, e não apenas nocturna.
Lisboa antiga.
Eterna.


(Fotografia tirada perto da Rua do Poço dos Negros)

5 comentários:

Paula Nunes Lima disse...

Que vontade de irmos dar uma volta por Lisboa, a "Antiga", claro!

Cumprimentos
Paula e Rui LIma

Duende disse...

Esta é a Lisboa que todos gostamos!!

Eduarda disse...

Gosto muito deste género de fotografia.Parece um bocadinho da alma da amada Lisboa.
De repente ,lembrei-me do Represas a cantar «O Poço dos Negros».
«Anda/Linda/Vamos ao Poço dos Negros........».É linda,essa música.
Parabéns,José Augusto!

Maria João disse...

Em breve estarei lá, nessa Lisboa antiga, saboreando a sardinha assada e as marchas do padroeiro!

Um abraço

Ana Cristina Casqueiro Haderer disse...

"Esta Lisboa que eu amo... como diz o famoso fado. houver perspectivas destas a fotografar e a ver na cidade, já não é chita!