sábado, 9 de outubro de 2010

Castilho e Braamcamp

A tranquilidade com que a senhora atravessou a rua, deu lugar ao frenesim de escapes e buzinas.
A bela arquitectura do prédio de esquina, foi tragada pelo "mamarracho" incaracterístico.
O velho candeeiro de Lisboa, traço e rasto de bom gosto, cedeu a posição a sucedâneo de bem pouca beleza.
E a noção de espaço livre...desapareceu por completo.
É quase claustrofóbico o "panorama" actual da Rua Castilho, esquina com a Braamcamp.


(Fotografia a preto e branco do Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa).

4 comentários:

José Luís Espada Feio disse...

sem dúvida um contraste arrepiante...

Ana Cristina Casqueiro Haderer disse...

Pois é, Lisboa etá cheia destes constratstes absolutamente horríveis.
Bem visto, josé!

divagarde disse...

E foram-se também o silêncio entrecortado pelo chilrear e os cheiros de antes.

Anónimo disse...

Este trabalho de colocar lado a lado a foto do antes e depois é muito importante na tomada de consciência da destruição do património da cidade, que continua com este Manuel Salgado, vereador do urbanismo da CML, que quando os serviços da CML chumbam a demolição de um edifício antigo, ele vem e aprova. São inúmeros os exemplos, e um dos agora mais falados é a demolição de um belíssimo edifico de alvenaria de pedra na Praça das Flores para colocar um edifício do Souto Mora, que tem tanto a ver com a Praça das Flores como com a Faixa de Gaza.

É importante ter consciência de quem é objetivamente responsável pelas diferenças como as vistas nessas duas fotos.