sábado, 24 de julho de 2010

Lisboa e os Poetas (19)


"Poetas de Lisboa"

"É bom lembrar mais vozes pois Lisboa
Cidade com poético fadário
Cabe toda num verso do Cesário
E alguma em ironias do Pessoa.

Para cada gaivota há um do O’Neill
Para cada paixão um do David
E há Pedro Homem de Mello que divide
Entre Alfama e Cabanas seu perfil.

E há também o Ary e muitos mais
Entre eles o Camões e o Tolentino
Ou tomando por fado o seu destino
Ou dando do seu riso alguns sinais.

Muito do que escreveram e se canta
Na música de fado que já tinha
O próprio som do verso vem asinha
Assim do coração para a garganta.

Que bom seria tê-los a uma mesa
De café comparando as emoções
E a descobrirem novas relações
Entre o seu fado e a língua portuguesa".

Vasco Graça Moura

3 comentários:

Fadista disse...

VGM, um poeta "cultivado" (!?)...
http://www.acad-ciencias.pt/files/Mem%C3%B3rias/Vasco%20Gra%C3%A7a%20Moura/Am%C3%A1lia%20Rodrigues.pdf
:-)

Anónimo disse...

Caro José, "espreitei" o seu Lisboa Antiga e foi como que uma lufada de ar fresco neste sábado abrasador.Vou voltar sempre que puder.
Atrevidamente mando-lhe uma nota na sequência do belo poema do Graça Moura:
...Quanto a essa reunião,
imagino como seria
Belas palavras, poesia,
Com um retumbante não
À nova ortografia !!
Maria
2010/07/24

divagarde disse...

Que bom seria tê-los a uma mesa
De café comparando as emoções
E a descobrirem novas relações
Entre o seu fado e a língua portuguesa


Esta quadra...
Que bom seria juntá-los em tertúlia, cada tempo seu olhar, cada recanto da cidade um verso... e invisível, ficar escutando, sorvendo...