quinta-feira, 6 de setembro de 2007

"Pavilhão dos Desportos"

“Pavilhão dos Desportos”.
Agora Pavilhão “Carlos Lopes”.

Aquele recinto faz parte da história do Desporto português.
Nele se alcançaram as grandes vitórias do hóquei em patins.
Nele se travaram grandes “combates” da luta-livre nacional, do boxe.
O pavilhão cheio, com alguns milhares de pessoas.
O andebol também por lá andou, numa fase final do Campeonato da Europa.
E os saraus anuais de Ginástica de muitos clubes.

Passa-se por lá agora, e de longe, o aspecto ainda é o mesmo.Quase imponente.




Mas quem se aproxima dos gradeamentos…pode constatar a degradação, o abandono, o desleixo, a ruína.
Quem é responsável por tal estado?



O Pavilhão não teria, ainda hoje, nenhuma utilidade?
E mesmo nessa eventualidade, pouco crível, seria de deixar cair de podre?

Quem não respeita o seu passado, não merece futuro.
E Lisboa merece.

8 comentários:

teresamaremar disse...

Agrada-me bastante ver, enquanto título deste post, Pavilhão dos Desportos.

Não concordo nem com a mudança para Pavilhão Carlos Lopes, nem com a do Palácio de Cristal para Pavilhão Rosa Mota.

Façam-se novas obras e a elas se atribuam os novos patronos.


Até porque, em relação ao Pavilhão dos Desportos, parece não haver patrono novo que lhe valha.

geocrusoe disse...

não conheço, embora talvez exista, nenhum pavilhão que concilie a valência de ser um gimnodesportivo e uma obra de arte como o Pavilhão dos desportos em Lisboa, independentemente do nome que lhe queiram a novas gerações dar, para daí tirarem dividendos pessoais.

Anónimo disse...

Que pena!!!

E os cuidados devidos?

elisabete cunha

Rui Luís Lima disse...

olá josé quintela soares!
o pavilhão dos desportos, parece estar mais do que esquecido, só aquando da feira do livro alguns se lembram dele, mas depois tudo fica na mesma. Ainda vi lá concertos de rock nos anos setenta e concordo plenamente em que deve ser recuperado, tal como o Parque Eduardo VII, para ser possível ao lisboeta sentar-se na relva e ler um livro ou simplesmente olhar Lisboa. Hoje em dia por muito arranjados que estejam os jardins, se nos sentarmos num dia de verão a ler, somos abordados logo por alguém que nos interrompe a leitura.
abraço cinéfilo

Fernando Rainha disse...

Lembro-me nos tempos da minha meninice, no principio da decada de 50,das matinés de cinema gratuito, para crianças e adultos no pavilhão dos desportos,onde as crianças da cidade passavam os seus tempos livres para assistir aos filmes de buxa e estica, desenhos animados, charlô, e tantos outros filmes, que saudades hoge doi, ver o estado de completo abandono e degradação, enfim,que saudades.
outras epocas outras mentalidades

Adelino Gomes disse...

Sres Governantes, peço-lhes que se lembrem do grande Pavilhãos dos Desportos, providenciando já a sua recuperação, não o deixando degradar mais, como está acontecendo com muitos edificios e monumentos Nacionais, que vão caindo. Eu próprio estive algumas vezes neste Pavilhão por altura das comemorações nacionais no âmbito da Mocidade Portuguesa a que pertenci. Repor os nomes originais

manécas Martins disse...

Fernando Rainha,talvês nos tivéssemos
encontrado?Mas eu caminhava da madragoa justo ao Pavilhão dos Desportos para ir vêr o cinêma para miudos.
Mas a lembrança mais viva,foi quando o meu pai levou-me ver o Orfeão Académico de Coimbra,creio que jà
faz 61 anos.Abràço
a caligrafia é mà mas 48 anos fora de casa e três linguas!!

Anónimo disse...

Vêm do tempo do Santana Lopes e do Carmona - o que eles fizeram? nada? a não ser - negociaram terrenos da Av. da Liberdade e os terrenos da avª da Républica - terrenos da antiga Feira Popular .

Foi uma lástima..

Foi uma sorte o Pavilhão ser da CML se, se fosse do Estado já estava vendido

Um OLlissiponense à 3 gerações

Zé da Adega