sexta-feira, 11 de junho de 2010

Naif (2)


Glória Garizo do Carmo.

(Exposição "Lisboa vista pelos Pintores "Naif", Lisboa, 1988).

2 comentários:

Maria João disse...

A fazer lembrar as noivas de Stº. António...

divagarde disse...

É curioso ver o que é retido da cidade aos olhos de outrém... uma noiva de Santo António, um marinheiro bote e leme, os gatos da cidade e uma sonhada ilha enamorada.
Outros pintariam corvos, caravelas, São Vicente. Outros a Torre de Belém virada ao rio e ansiosa de mar, a ponte unindo as margens. Outros, as ruelas da Mouraria, becos ou escadinhas de Alfama, roupa em estendal. Outros ainda, varandas de ferro forjado, canteiros de sardinheira, craveiro, água-furtada, paredes de azulejo.
É... a mesma Lisboa ganha várias vidas segundo cada olhar. Por vezes cidade branca, em outras banho de azul, ou senhora de tonalidades mil.