segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Há 50 anos (3)




Os navios de grande porte deram lugar a pequenos veleiros ou rebocadores.
A ponte de então foi substituída por uma mais funcional.
O velho candeeiro desapareceu na voragem do tempo.
O paralelepípedo do asfalto deu a vez a puro alcatrão.

A Rocha de Conde de Óbidos é hoje ponto de passagem de turistas em cruzeiro.
De poucos mais.
Os lisboetas já não sentem vontade de a visitar, nem têm necessidade, porque ninguém viaja de barco.

Nota-se bem que passaram 50 anos.

(Foto do Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa)

6 comentários:

Ana Cristina Casqueiro Haderer disse...

A fotografia a preto e branco é muito bela.

Lisboa tem um porto de onde não partem navios. Que estranho. Não era da Rocha Conde de Obidos que partiam os navios para o Ultramar, nos anos sessenta?

José Quintela Soares disse...

Olá Ana Cristina

Era exactamente ali que as tropas embarcavam. Mas não só, todos os passageiros para Madeira, Açores e outros destinos.
Isto é, quando havia Marinha Mercante.

divagarde disse...

A ausência de navios lamenta-se, mas esse é um outro assunto. O que dá mais pena, comparando ambas as imagens, é o piso.
Os paralelepípedos permitiam aquela beleza de sombras, luminosidades e reflexos.

Esta ideia de fotografar os espaços, escolhendo o mesmo enquadramento para a objectiva, é excelente.
Uma sugestão... e escolher a opção preto-e-branco?

José Quintela Soares disse...

Olá divagarde

Obrigado pela sugestão.
Pensei nela, quando comecei a fazer as fotografias.
Mas concluí que, na maioria dos casos, a cor ajuda a perceber os efeitos de cinco décadas.

Julieta Ferreira disse...

Gosto muito das fotografias. Para mim a 'necessidade' de visitar lugares em Lisboa nunca parou nem vai parar.
Obrigada por esta partilha e pelo comentario valioso que deixou no meu blog.
Beijo.

Luciana disse...

Sim... notam-se bem os 50 anos!...
Por vezes as coisas são bem melhores a preto e branco!

Abraço