sábado, 24 de maio de 2008

Ninguém


Triângulo, paralelipípedo.
Árvore, candeeiros, passeio.
Carros.
E ninguém.


Lisboa em tarde de sol.

Só.

2 comentários:

teresamaremar disse...

Por vezes Lisboa fica assim, quietinha, adormecida, mais nas manhãs de fim de semana, em que se ausentam ruídos e trânsito.
Como se cada recanto respirasse um pacato viver de aldeia.

Ana Cristina Casqueiro Haderer disse...

A cada vinda a Lisboa eu sinto que o ritmo se acelerou muito. Lisboa nã é mais a cidade pacata que eu conheci. As pessoas correm, são desagradáveis, não me parece haver já aquela maneira gentilíssima de viver. Impressão de quam já não vive "dentro", sou uma estranha na cidade que me viu nascer. Aprecio saber que ainda existem momentos e lugares onde se respira esse ar lisboeta a que eu estava habituada.